Interroga-se a tristeza a partir da retomada lacaniana da teorização do luto por Freud. Delimitam-se,