“(…) nunca nos achamos tão indefesos contra o sofrimento como quando amamos, nunca tão desamparadamente