“Ser homem não é uma questão tão natural como usualmente se supõe”. Assinala Badinter (1992/1993)